domingo, 15 de agosto de 2010

Quando não sei falar, falas por mim!

"O som que toca você
por Grazi de Almeida Freitas 

Era tarde de domingo e domingos costumam ser dias chatos, tristes. Ela não estava bem, sentia um nó apertar sua garganta e o amanhã já começava a bater a sua porta insistentemente. Sentia-se perdida, pois ainda não havia escolhido o rumo que deveria tomar, escolha que se tornava ainda mais difícil quando sua caixa de saudades estava aberta. A moça se sentia só, o destino lhe havia privado da companhia de alguns dos seus amigos mais queridos, sentia falta de dias menos responsáveis quando podia desperdiçar o tempo fazendo coisas bobas que pouquíssimas pessoas entendem a importância... Ela sentia falta de rir, falar besteiras filosóficas, de sentar na janela e observar a lua cheia sem se preocupar com os horários do dia seguinte. A verdade é que, assim como para o resto do mundo, o tempo também passava para ela e a famosa "crise dos 20 poucos anos " já começava a incomodar.
Acontece que ela estava triste, não são todos que a entendem, mas havia alguém que mesmo longe ouvia uma música e pensava na moça no mesmo instante em que ela chorava escondida em seu quarto. Não sei se por simples coincidência emocional, destino ou compatibilidade de almas.
"Eu hoje tive um pesadelo
E levantei atento, a tempo
Eu acordei com medo
E procurei no escuro
Alguém com o seu carinho
E lembrei de um tempo
Porque o passado me traz uma lembrança
Do tempo que eu era ainda criança
E o medo era motivo de choro
Desculpa pra um abraço ou consolo
Hoje eu acordei com medo
Mas não chorei, nem reclamei abrigo
Do escuro, eu via o infinito
Sem presente, passado ou futuro
Senti um abraço forte, já não era medo
Era uma coisa sua que ficou em mim
E que não tem fim
De repente, a gente vê que perdeu
Ou está perdendo alguma coisa

Morna e ingênua que vai ficando no caminho

Que é escuro e frio, mas também bonito porque é iluminado

Pela beleza do que aconteceu há minutos atrás"

(Poema - Cazuza)
 
A canção que me tocou hoje é a cara da minha querida "ransa" Vilane Vilas Boas.
Bem sei que alguns dias são cheios de medo e que quando a caixa de saudades está aberta tudo parece ser mais complicado, mas a paisagem após a chegada pode compensar os aranhões da escalada!
Amo-te!
"

Obrigada ransa!
Te amo!

2 comentários:

ૐ Filha de Gaiaૐ disse...

Deve se a tal da compatibilidade de almas!

rS!

Bruno Sampaio disse...

legal, gostei!
que sintonia, hein?
bjão, minha linda!!